|Série Biomas| Você conhece o Pantanal? (V.4, N.5, P.3, 2021)

Tempo estimado de leitura: 5 minute(s)

Divulgadores da Ciência:

Andrea Martins e Andres Caseiro Guilhem

  1. Programa de pós-graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Universidade Federal do ABC, Av. dos Estados, 5001, B. Santa Terezinha, Santo André – SP. CEP 09210-580

 

Reconhecido como Patrimônio de Reserva Natural da Humanidade pela Unesco, o Pantanal possui lindas paisagens e uma grande biodiversidade de espécies de animais e plantas. Só de aves podemos encontrar cerca de 650 espécies, o que torna o Pantanal a área úmida com maior riqueza de espécies de aves do Planeta!

O Pantanal é uma região cíclica com períodos de seca e períodos de cheia dos rios. Nos momentos de cheia, o Pantanal se torna uma das maiores áreas alagadas contínuas do mundo.

Porém, em períodos de seca, o bioma se torna fortemente ameaçado pelas queimadas que são utilizadas de forma cultural na região para limpar o terreno para utilização como pastagens.

Mais de 90 % do pantanal está em propriedades privadas com uso para pecuária sendo que uma das grandes ameaças do bioma talvez seja a falta de orientação dos pecuaristas de como utilizar o solo de forma correta. Vale lembrar que de toda esta terra, mais de 80% pertence a 25% dos fazendeiros da região de acordo com o estudo do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (IMAFLORA). Isso significa que boa parte do solo pantaneiro está na mão de poucas pessoas.

Além disso, o pantanal não é um bioma isolado. Ele depende das nascentes que afloram no Cerrado e na Amazônia. Nessas áreas houve uma perda de 32 % da vegetação natural e a análise histórica das imagens de satélite nos últimos 35 anos demonstra que 56% do território do Cerrado e da Amazônia já se encontram fortemente impactados pelo homem.

Segundo a MapBiomas, organização que monitora a evolução dos biomas no Brasil, quando observamos as imagens de satélite da região do Pantanal nos últimos 35 anos, podemos observar que houve uma diminuição nas áreas de savanas e florestas no período, com tendência de diminuição nas áreas de campo e campo alagado e também tendência de diminuição nas áreas de savanas e florestas e aumento proporcional nas áreas de pastagens. Isso demonstra os avanços da fronteira agrícola sobre as áreas naturais – fruto das medidas tomadas pelos proprietários de terra da região que procuram expandir seus negócios em detrimento da natureza.

Em destaque, a evolução das áreas de pastagens em amarelo entre 1985 e 2019.
Fonte: MapBiomas (2020)

Procurar nova normatização legal com orientações para a limpeza de pastagens que não seja totalmente proibitiva, e nem totalmente permissiva pode ser uma das alternativas para evitar que as queimadas sejam utilizadas de forma inadequada ameaçando a biodiversidade.

Além disso, repensar e diminuir nosso consumo de carne pode ser um dos fatores fundamentais para diminuir a expansão da pecuária no Bioma.

Estamos num momento de junção das diferentes opiniões, diferentes conhecimentos e diferentes interesses na forma de ocupação do solo, para pensarmos conjuntamente uma forma de convivência dos diferentes atores e ter uma nova visão de futuro.

A natureza é um sistema interdependente. Quando afetamos um ecossistema, agimos indiretamente sobre outras partes do planeta causando impactos por vezes irreversíveis. Atualmente, o Pantanal sofre com queimadas em uma proporção jamais vista antes. É possível que a fumaça e a emissão de gases agravem ainda mais o efeito estufa, não só pela queimada das florestas em si, mas também pela queima de um solo rico em carbono, o que potencializa a emissão de gases de efeito estufa. Além disso, o aumento da seca altera o regime de chuvas e recarga de aquíferos. Fenômenos climáticos, como El Niño e La Niña, interagem com as áreas alagadas do Pantanal, estabelecendo uma dinâmica de dimensão global. Já dizia o professor Cleber Alho, PhD em ecologia e especialista em assuntos ligados ao Pantanal, que há uma tendência preocupante sobre o futuro dos biomas brasileiros em relação às mudanças climáticas e aos processos do ecossistema.

 

Referências:

Webinar: Revelando o uso da terra no Pantanal com ciência e transparência – MapBIOMAS

– https://www.youtube.com/watch?v=KySieC1dGQs&t=1572s&ab_channel=MapBiomasBrasil

QUEM SÃO OS POUCOS DONOS DAS TERRAS AGRÍCOLAS NO BRASIL – O MAPA DA DESIGUALDADE | Luís Fernando Guedes Pinto, Vinicius Guidotti de Faria, Gerd Sparovek, Bastiaan Philip Reydon, Claudia Azevedo Ramos, Gabriel Pansani Siqueira, Javier Godar, Toby Gardner, Raoni Rajão, Ane Alencar, Tomás Carvalho, Felipe Cerignoni, Isabella Mercuri Granero, Matheus Couto | Sustentabilidade em Debate, Número 10 – Piracicaba, SP: Imaflora, 2020. 21p.

ALHO, Cjr.. Concluding remarks: overall i mpacts on biodiversity and future perspectives for

conservation i n the pantanal biome. Brazilian Journal Of Biology, [S.L.], v. 71, n. 11, p.

337-341, abr. 2011. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1519-69842011000200013.

https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-10/fogo-ja-destruiu-3461-milhoes-de-hectares-do-pantanal

 Hotel Sesc Porto Cercado – https://www.youtube.com/watch?v=E7FIgVMsm6o

Related Post

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Twitter